Siga o canal do youtube do ogol.com.br
Entrevista Ogol
Lateral abre o jogo

Luís Ricardo: 'Barcelusa', luta por espaço no São Paulo, drama e festa no Bota e saída da Ponte

2019/05/23 15:54
Texto por Carlos Ramos
E0

Luís Ricardo recentemente deixou a Ponte Preta. Em busca de nova equipe, o lateral direito lembrou alguns momentos de uma carreira marcante em entrevista para oGol. Da "Barcelusa" de Jorginho ao drama no Botafogo, passando pelo pouco espaço no São Paulo. 

O goiano Luís Ricardo começou a carreira no Vila Nova, e rodou por algumas equipes do Sul e do Sudeste até que desembarcou no Canindé em 2010. Era, então, atacante. Até que Jorginho decretou: "Vai ser lateral". 

"Foi um divisor de águas na minha carreira. Tanto o Jorge quanto o Anderson Lima, que foi um grande lateral e era auxiliar do Jorge, me ajudaram muito no sentido de corrigir, de me parar e falar: 'Luís, é assim, faz dessa forma que vai dar certo'. Usando minha característica, mas em outra posição que eu tinha que incluir algumas coisas que eles achavam necessário. Eu falei: 'Tá bom, vou agir dessa maneira que eu acredito que vai dar certo'. E deu certo". 

Luís Ricardo fez parte da 'Barcelusa', a última grande equipe da Portuguesa, que acabou campeã da Série B com muita superioridade sobre os rivais. O lateral lembra com carinho da passagem no Canindé. 

"Fazer me lembrar dessas coisas me traz muitas memórias de um grande clube, que é a Lusa. Foram grandes momentos da minha carreira. Cheguei ali em 2010, como atacante na época, com o propósito de subir a Portuguesa para a Série A. Tínhamos um time até, no papel, muito bom, mas não fluiu. Em 2011, conseguimos fazer um grande campeonato. Foi a 'Barcelusa', conquistamos a Série B com o Jorginho com números legais, com antecedência", contou o jogador, que seguiu no clube nas temporadas seguintes. 

"Em 2013, a gente acabou permanecendo na Série A e conseguindo a Sul-Americana. Fiz grandes amigos. Um deles virou meu amigo particular, o Ananias. Estava naquele avião onde tudo aconteceu (tragédia da Chapecoense) e não está mais entre nós. São histórias que vão ficando guardadas na minha memória", conta, em momento emotivo. 

As glórias e o drama no Rio

A carreira de Luís Ricardo seguiu para o Morumbi. Contratado a pedido de Muricy Ramalho, o lateral acabou não tendo tanto espaço no time. Foram apenas 16 jogos em 2014. Luís tem consciência dos motivos que o fizeram não ter tanto tempo em campo. 

"Foi na época que tinham grandes jogadores ali, foi na época da volta do Kaká. Era um time bem ofensivo, onde tinha o Alexandre Pato, o Ganso, o Michel Bastos... E eu fui para o São Paulo porque era um cara ofensivo na Lusa. Mas no São Paulo acabava que o Muricy tinha que fazer algo defensivo porque, de alguma forma, ele precisava colocar esses caras para jogar. Nunca me falaram o motivo de eu não ter jogado mais, mas, entendendo um pouco de futebol, entendi que ele não poderia ter uma linha de quatro (na defesa) com um cara ofensivo sendo que tinha que jogar o Maicon, o Souza, jogadores que não marcam tanto, tinha que colocar Pato, Ganso, Kaká, na frente tinha que colocar o Luís Fabiano. Então acredito que por esse motivo eu joguei pouco. Foi quando ele adaptou o Paulo Miranda para tentar fazer um quarteto mais defensivo para colocar esses caras para jogar. Nessa história, a corda vai estourar sempre no lado do mais fraco", analisou. 

Em seguida, o lateral acabou emprestado para o Botafogo, e lá ficou por quatro anos. Em General Severiano, Luís Ricardo viveu momentos opostos: primeiro, um grande desempenho em campo; depois, uma lesão que acabou complicando sua carreira. 

"A gente nunca vai contar que a gente vai se machucar, ou que vai acontecer um acidente, ou que vai acontecer tal coisa. Mas minha saída do São Paulo para o Botafogo foi entendendo que eu tinha condições de jogar em um clube grande, que eu poderia fazer a minha história, que poderia chegar e conquistar meu espaço. Quando cheguei, o Gilberto estava muito bem. Ele acabou sendo vendido e eu acabei tomando essa posição. Foi quando conquistei a Série B jogando. 2016 foi aonde eu me encontrei em um clube grande, jogando com confiança, cheguei a ser capitão. Imaginava que as coisas iriam fluir dali para frente, mas tive uma lesão que era para ser de seis meses, mas acabei ficando quase um ano parado", recordou. 

Luís Ricardo era destaque no time. Foi campeão da Série B, depois fez parte de uma grande campanha na Série A. A lesão acabou interrompendo uma grande sequência na carreira do atleta. 

"Quando isso acontece, é muito ruim para o jogador. E o clube não está disposto a ficar aguardando, até porque o clube tem outras opções para que as coisas venham fluir na equipe. Com isso, eu perdi um pouco de espaço. Em 2018 ainda consegui voltar, joguei alguns jogos até na Libertadores. Mas entendi que depois tinha que sair até para dar espaço para alguns jogadores", confessou. 

O lateral garante que deixou General Severiano "de cabeça erguida", "grato" pelos anos que ali esteve e com amizades que levou para o resto da vida. " Ficou apenas saudade e gratidão pelo clube que me deu oportunidade de mostrar um pouco do meu futebol, e onde fui feliz".

Saída da Ponte e futuro

Em 2019, Luís Ricardo esteve na Ponte Preta. Foram 14 jogos entre Campeonato Paulista e Copa do Brasil. Em maio, a direção da Macaca iniciou uma reformulação no elenco, e o lateral partiu na "barca" do clube. O jogador comentou a passagem no Moisés Lucarelli e explicou a saída. 

"A minha vinda para a Ponte, hoje com 35 anos... Eles entenderam que precisavam de um jogador do meu estilo, do meu nível, por ser experiente... Um jogador que já havia passado pelo clube... O que aconteceu foi que a gente não conseguiu atingir alguns objetivos para dar um boom para o ano. A intenção da Ponte é subir para a Série A, mas fizemos um Campeonato Paulista não muito bom, onde perdemos até o título do interior (para o Red Bull). Saímos precocemente da Copa do Brasil, onde ia entrar um dinheiro legal para o clube. Ia até sanar algumas dívidas... E nisso, acabou que os jogadores que recebiam um pouco mais tiveram de sair. Teve de fazer uma reformulação financeira. Foi isso que me falaram. Entendi, também, a situação do clube e acabamos entrando em um acordo. Eu segui a minha vida e o clube tem que seguir a vida dele", disse. 

Aos 35 anos, e com passagens em grandes clubes, Luís Ricardo está livre no mercado. O jogador garante ainda ter condições de atuar em grandes equipes, e espera, na parada para a Copa América, se acertar com uma nova equipe. 

"Eu espero, realmente, ter outra oportunidade em outro clube. Agradeço a Ponte por tudo o que me proporcionou nesse ano. Não podemos dizer: 'Ah, o Luís Ricardo foi ruim na Ponte'. Não, são coisas que acontecem no futebol. A gente tem que entender que clubes passam por dificuldades, e a gente está incluído nisso também. Estou pronto, treinando sempre e esperando a oportunidade. Eu tenho condições de estar em um grande clube, de jogar em alto nível. Só estou aguardando, realmente. Saí recentemente. O campeonato está em andamento. Os clubes, nessa parada da Copa América, vão repensar um pouco o planejamento. Penso que possa estar incluído em alguns desses clubes para que possa dar prosseguimento na minha carreira". 

Brasil
Luis Ricardo
NomeLuis Ricardo Silva Umbelino
Data de Nascimento1984-01-21(35 anos)
Nacionalidade
Brasil
Brasil
PosiçãoDefensor (Lateral Direito)

Fotografias(4)

Comentários (0)
Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
motivo:
EAinda não foram registrados comentários…
Links Relacionados
SIMULADOR OGOL
Faça a sua aposta:
R$
Odd acumulada:
Ganhar
Brasileirão
Vozão frustrado
O Ceará tentou de todas as formas, mas não teve pontaria para vencer Gatito e acabou frustrando a torcida no Castelão com um empate sem gols contra o Botafogo.
ÚLTIMOS COMENTÁRIOS
RenataBFR 15-09-2019, 04:22
JO
jorge0305 14-09-2019, 22:28
LukyMax_Santiago 14-09-2019, 11:33