Siga oGol no facebook
        1xBet
        Biografia
        Biografia Treinadores

        O Papai Joel Santana

        Texto por Carlos Ramos
        l0
        E0

        No Natal de 1948, o Rio de Janeiro recebeu de braços abertos um filho que um dia se intitularia rei da cidade: Joel Natalino Santana, o Papai Joel, um dos técnicos mais vitoriosos, e folclóricos, do futebol carioca. 

        E é mesmo nesta ordem: as vitórias vêm antes das frases de efeito de Joel, da simpatia, das brincadeiras e do inglês que virou piada internacional. Joel foi um dos grandes técnicos brasileiros. 

        As origens na Colina 

        Antes de ser treinador, Joel Santana fez carreira como jogador. Foi zagueiro, daqueles sérios, sem brincadeira na hora de tratar a bola. Sem risadinha. 

        Começou no Vasco, e entrou para a história do clube na conquista do Campeonato Brasileiro de 1974, sendo titular em 23 partidas ao longo da campanha. 

        Deixou São Januário para defender o América de Natal, mas sua carreira como zagueiro não durou nem uma década: em 1980, decidiu largar o futebol como jogador para se formar em Educação Física ainda em Natal. 

        Voltou ao Rio para trabalhar na base do Vasco, até que receber a oportunidade de comandar o Al Wasl nos Emirados Árabes. Por lá, ficou cinco anos buscando desenvolver o futebol no país. 

        Em 1986, Joel teve a primeira oportunidade como técnico no Brasil, sempre iniciando no Vasco. Só que logo o técnico deixou a Colina para nova experiência no futebol árabe, dessa vez no Al Hilal, da Arábia Saudita.

        Só na década de 1990, Joel se firmou de vez como técnico no Brasil. Foi bicampeão carioca pelo Vasco, clube que sempre lhe abria as portas para trabalhar. 

        Começou, ali, a história do "Rei do Rio". Apesar do grande carinho que recebeu no Vasco, Joel conseguiu passagens vitoriosas por todos os quatro grandes do Rio de Janeiro. 

        Em 1995, no Fluminense, Joel fez o Tricolor derrotar o favorito Flamengo, no ano do centenário do clube, e conquistar o Carioca com o famoso gol de barriga de Renato Gaúcho. 

        O sucesso nas Laranjeiras, que teve ainda uma campanha de semifinal no Campeonato Brasileiro, levou Joel para a Gávea no ano seguinte. Depois de ter frustrado o Flamengo no centenário, Joel comandou o time que foi campeão invicto do Carioca em 1996.

         Ou seja, para ser campeão carioca, bastava contratar Joel Santana, o "Rei do Rio".  O Botafogo o contratou em 1997 e acabou campeão carioca. Depois da conquista, Joel teve uma breve passagem pelo Corinthians. 

        Os milagres de Joel 

        Os maiores títulos da carreira de Joel foram conquistados em São Januário, em uma passagem relâmpago pelo Vasco. Depois de Eurico Miranda se desentender com o técnico Oswaldo de Oliveira na reta final do ano de 2000, o presidente chamou o "bombeiro" Joel Santana. 

        O Vasco estava na final da Copa Mercosul e na reta final do Campeonato Brasileiro, naquele ano chamado de Copa João Havelange. Joel agregou, e muito, naquele time. 

        O momento mais lendário da passagem foi na decisão da Mercosul, na casa do Palmeiras, em São Paulo. O Vasco foi ao intervalo perdendo por 3 a 0. 

        Joel era um técnico que apostava em um forte sistema defensivo, como zagueiro que foi, mas tinha, acima de tudo, a grande virtude de ser um motivador. No papo, Joel conseguia recuperar qualquer equipe. 

        Foi assim que recuperou a confiança daquele Vasco no Parque Antártica. De 3 a 0, o Cruz-Maltino passou a vencer por 4 a 3, de virada, para levantar a Mercosul. 

        A cereja do bolo veio com a conquista do Brasileiro, depois de uma polêmica final diante do São Caetano. Depois da queda do alambrado em São Januário, o jogo teve de ser remarcado para o Maracanã, onde os cariocas acabaram campeões. 

        'Pode to be'

        Joel não se limitou a trabalhar no Rio: dirigiu os grandes rivais baianos, sendo campeão também por lá; o Corinthians em São Paulo; o Cruzeiro em Minas; e o Inter no Sul. 

        Sua carreira internacional, que teve ainda uma passagem no Japão pelo Vengalta Sendai, viveu o ápice em 2009. Depois de ser campeão carioca com o Flamengo e ter feito grande campanha de recuperação do time no Brasileiro, Joel foi indicado por Carlos Alberto Parreira para comandar a seleção da África do Sul. 

        Os sul-africanos receberiam a primeira Copa do Mundo do continente africano. Joel assumiu para a Copa das Confederações de 2009, e ficou marcado pelas entrevistas que tentou responder em inglês. 

        Se fora do campo Joel virou motivo de piada, dentro conseguiu grande campanha com o país, levando a equipe até a semifinal da Copa das Confederações. A eliminação, das mãos do Brasil, só veio com um gol de falta do lateral Daniel Alves. 

        Joel, entretanto, não ficou na África do Sul para a Copa do Mundo. Parreira voltou a comandar a equipe no Mundial, e Joel voltou ao Rio de Janeiro. 

        Em 2010, superou o Flamengo para conquistar mais um Campeonato Carioca com o Botafogo, superando os campeões brasileiros do ano anterior. Nessa campanha, ficou marcado como o "Papai Joel", sendo uma espécie de "paizão" para jogadores mais jovens. 

        Joel ainda voltou ao Flamengo em 2012, e ao Vasco em 2014, com sua prancheta que virou sua marca. Em 2017, trabalhou em seu último Carioca, pelo Boavista. Depois, o "Reio do Rio" passou a curtir a sua aposentadoria, contando as histórias que nem o tempo pode apagar... 

        D

        Fotografias(2)

        Joel Santana (BRA)
        Comentários (0)
        Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
        motivo:
        EAinda não foram registrados comentários…