Siga oGol no Twitter
        bet365
        Biografia
        Biografia Jogadores

        Wayne Rooney: Aos Diabos, o Céu

        Texto por Paulo Mangerotti
        l0
        E0

        Como um grande líder, Wayne Rooney fez seus seguidores sonharem. Um dos aspectos mais virtuosos da liderança é dar aos fiéis algo para se agarrar, com uma ideia, com feitos, com o inimaginável. Rooney fez tudo isso porque foi muito mais do que o maior artilheiro da história de um dos maiores clubes do mundo, o Manchester United. Rooney ajudou os Diabos a alcançarem o Céu.

        Muito antes de se tornar um Red Devil, porém, o atacante construiu uma história de amor em Liverpool, sua cidade natal. O pequeno (e o grande) Wayne nunca esconderam a primeira paixão no futebol: o Everton.

        Nascido em 24 de outubro de 1985, Rooney começou cedo no futebol. Aos nove anos, os primeiros passos de um já temperamental Wayne começaram a ser dados na categoria de base do clube de Goodison Park. Relatos contam como, enquanto criança, Rooney se tornava indomável ao não ter em posse o brinquedo preferido, a bola.

        No Everton, Rooney cresceu, se profissionalizou e se tornou uma das maiores promessas do futebol inglês, afinal já se destacava na seleção de base, onde inclusive foi eleito o melhor jogador de uma Eurocopa Sub-17. Inicialmente, foram apenas duas temporadas no time principal dos Toffees e 17 gols marcados. Pode parecer pouco, mas foi o suficiente para uma pomposa oferta de 27 milhões de libras mostrarem o caminho para a obra-prima de sua carreira. 

        Decolagem precoce

        Rooney chegou em Manchester próximo de completar 19 anos. O jovem atacante até estava cercado de expectativas, mas muito mais pelo valor envolvido na negociação e por ser dado como um futuro craque da seleção inglesa. Do lado do United, de Sir Alex Ferguson, havia a tranquilidade de um elenco robusto para deixar que Rooney ganhasse seu espaço com o tempo.

        Aquele United da temporada 2004/05 tinha, somente do meio para frente, nomes como: Ryan Giggs, Scholes e Roy Keane, todos na casa dos 30 anos; Ruud van Nistelrooy, Solskjær, Diego Forlán e Saha, todos também já consagrados. O momento, para Rooney e um companheiro português de 20 anos, que havia chegado no ano anterior, teoricamente seria de compasso de espera para o crescimento. Mas não demorou para que alguns daqueles jogadores consagrados, como Forlán, não correspondessem às expectativas. Rooney e Cristiano Ronaldo, aquele jovem português, estavam prontos para agarrar as oportunidades.

        A estreia de Rooney pelo Manchester United aconteceu em um jogo de Liga dos Campeões. Sem cerimônias, Ferguson lançou Rooney como titular, ostentando a camisa de número 8. Naquele dia 28 de setembro de 2004 o atacante provou que não nasceu para ser uma mera promessa ou coadjuvante. Na goleada por 6 a 2 sobre o Fenerbahçe, Rooney estreou com um hat-trick, o cartão de visitas que precisava para pegar a titularidade e não largar mais, como o fez por 13 anos.

        O próprio Diabo

        Na vitoriosa carreira pelo Manchester United, em que empilhou 18 troféus, entre eles cinco da Premier League, uma Liga dos Campeões, uma Liga Europa e um Mundial, Rooney contribuiu mais do que com "apenas" gols. Pode não fazer muito sentido para descrever o maior artilheiro do clube, com 253 tentos, mas é a grande verdade.

        Rooney é contemporâneo de Messi, Cristiano Ronaldo, um pouco mais velho que Lewandowski, mas não se inclui na geração que explodiu as estatísticas e tornou banal ultrapassar a marca de 40 gols por temporada. Rooney nunca alcançou 40 gols em um ano pelo United, o máximo foi 34, em duas oportunidades, mas na maior parte das vezes sequer alcançou as duas dezenas.

        Acontece que Rooney, além de uma regularidade goleadora implacável, sempre contribuiu com o coração. Foi tido, por muitos, como o jogador inglês mais habilidoso em décadas, mas jamais deixou de correr para dar um carrinho, ajudar na marcação. Rooney era o próprio diabo em campo, um terror para os árbitros, com temperamento difícil e de pavio curto, não raras vezes acabou expulso por colocar uma pitada a mais de 'amor' no trato. 

        Fora o Manchester United, Rooney teve ainda uma 'aventura' na Major League Soccer, com a camisa do DC United, e uma passagem pelo Derby County, na segunda divisão inglesa. Os palcos menores não faziam jus ao tamanho de Rooney, mas o corpo do lendário atacante também já não respondia da mesma forma. Houve ainda, logo após a saída do United, o reencontro com o primeiro amor, numa prometida passagem de retorno ao Everton - por pura nostalgia, mas pouco resultado.

        Capitão inglês

        Líder no Manchester United, Rooney em diversos momentos teve com quem dividir as responsabilidades. Fosse com Giggs e Scholes em grande parte de sua trajetória, fosse com Van Persie ou o próprio Cristiano Ronaldo, que ganhou sua primeira Bola de Ouro jogando pelos Red Devils. Enquanto jogador de clube, Rooney foi moldado para se tornar líder, mas não teve muita sorte na função na seleção inglesa.

        Entre 2003 e 2018 Rooney envergou a camisa do English Team e, na maior parte desse período, foi a figura de quem mais se esperava em campo. É bem verdade que o atacante teve como companheiros figuras de enorme representatividade, como Steven Gerrard, Frank Lampard e John Terry, mas Rooney é quem era o artilheiro e craque do clube mais popular do país.

        Numa geração de que muito se esperou, Rooney participou de três Copas do Mundo e três Eurocopas, mas não conseguiu ajudar os ingleses a encerrar um longevo jejum de títulos. O atacante até contribuiu com bastante gols como de costume, 53 no total, e ultrapassou um recorde de Bobby Charlton que durou quase 50 anos como maior artilheiro da história da seleção.

        Independente dos títulos que o marcaram no United e não na seleção, Rooney sempre será um dos maiores jogadores ingleses de todos os tempos. Um craque habilidoso e ao mesmo tempo voluntarioso, de lances geniais e explosões com e sem a bola no pé. Rooney foi o próprio Diabo, estremeceu o Teatro dos Sonhos, e levou ele ao céu diversas vezes. Rooney, afinal, foi simplesmente, Rooney.

        D

        Fotografias(50)

        Wayne Rooney (ENG)
        Comentários (0)
        Tenha em atenção as Regras de Conduta antes de escrever o seu comentário. Se não as conhece poderá ser uma boa oportunidade para o fazer aqui.
        motivo:
        EAinda não foram registrados comentários…
        Links Relacionados